6 de agosto de 2010

Pitacos Femininos: Onde termina o marketing e onde começa o jogador

Matias Adrian Defederico, jogador de apenas 20 anos, destaque pelo Huracán no torneio clausura - algo como o Brasileirão da Argentina -, ajudou a levar o time ao vice-campeonato da competição, chegando a ser convocado por Maradona para a seleção principal da Argentina, fazendo, inclusive, um gol nesse jogo.

Chegou no Corinthians com status de "Novo Messi", com DVD e tudo, vendeu camisa antes mesmo de jogar pelo Timão e a camisa não era qualquer uma não, era a 10. Viveu a tensão de ser inscrito a tempo no BID para jogar o BR09, enquanto a torcida sofria junto vivendo a expectativa de ver seu novo "ídolo" ser destaque em terras tupiniquins.

Todos os torcedores viviam nessa esperança, até mesmo os mais céticos, afinal, se estavam fazendo tanto barulho é porque alguma coisa ali deveria ter. E tudo veio abaixo quando deveria explodir: de seus primeiros jogos até hoje, Defederico não correspondeu nem à mais pessimista das expectativas, fazendo míseros 2 gols pelo Timão e não sendo o jogador decisivo que todos esperavam em nenhuma partida.

O mais incrível dessa história é que, apesar de tudo isso, tem (muito) torcedor que ainda o bota em cima de um pedestal, que olha para ele e vê um craque, que pede ele todo jogo, acreditando piamente que ele entrará e fará 3 gols em 15 minutos ou justificando às más atuações pela falta de seqüência e, certamente, esquecendo que ele chegou a ser titular no time.

O que se pode concluir desse imbróglio é que o marketing do Corinthians funcionou perfeitamente: criou um novo craque na mente da torcida, quando, na verdade o que se tinha, era apenas um bom (?) jogador, que em todo esse tempo ainda não conseguiu se acostumar com o jeito de jogar futebol aqui do Brasil.

O marketing funcionou tão bem que fez até o Adílson acreditar e tirar o Bruno César (Não se tira o BC, Adílson. Nunca!) e por o Defederico no lugar.

Mas como marketing não entra em campo, dribla e faz gol... é bom a diretoria e o setor em questão terem mais cuidado na próxima, afinal, fazer festa por Ronaldo e Roberto Carlos é uma coisa, já por (eternas) promessas é outra bem diferente... ou já esqueceram do Lulinha?

Encerro o assunto com o melhor comentário que li sobre a atuação do jogador no último clássico: "Em ano de eleição, o povo não cansa de acreditar em promessas"(Yule Bisetto, Blog do Torcedor).

Momento zoação
Não podia deixar de comentar e saudar o penta (eliminado) da Libertadores do SPFC e o dodeca (eliminado) em mata-mata (ou seria morre-morre?).

Parabéns, vocês são mais soberanos do que nunca.

Aquele abraço!

3 comentários:

Gigante Colorado disse...

O marketing é a alma de todos os negocios, e o futebol é um dos maiores nesse país.
Acredito que alguns jogdores vão parar no time errado, não se adapta ao estilo de jogo, aos companheiros, a muitas coisas...
Enfim.
:*
(Lia)

Rodrigo Magalhães disse...

Olá, tenho um blog sobre o Chelsea FC e gostaria, se possível, de fazer parceria com este blog. Já adicionei-o como parceiro. Espero que faça o mesmo. Obrigado!

http://chelseanewsbr.blogspot.com

Adriano disse...

rsrsrrs... ao fiasco das conquistas projetadas para o ano centenário do timão, resta comemorar a desclassificação tricolor como prêmio de consolação.

Mas sobre Defederico, contratar craque é sempre uma caixinha de surpresas. Alguns não se encontram no elenco, não se ajustam com o técnico ou simplesmente não são tudo aquilo que pareciam ser num time já entrosado. O Corinthians fez tudo certo para aumentar sua arrecadação promovendo seu "craque". Mas nem sempre dinheiro traz felicidade... a sala de troféus esse ano já está acumulando pó.

Grande abraço!